7 Cantos do Mundo

Comidas húngaras que você tem que provar em Budapeste

As comidas húngaras me surpreenderam! Confesso que eu não sabia muita coisa a respeito da culinária desse país. Mas, comilona apreciadora de gastronomia que sou, segui algumas dicas da Lala Rebelo e dos amigos do Dubbi, e fui para Budapeste com uma listinha do que eu queria experimentar. #gordinhafeelings

Mas claro que acabamos provando outras coisas também. Compartilho aqui algumas das delícias que experimentamos e que super recomendo você provar quando for à Hungria!

Porque ir pra um lugar com comida boa e barata e ficar no fast food não dá, né, gente?!

Então vamos lá!

Separei por tipos de comida, e incluí aí de lambuja algumas coisas que não devem ser tipicamente húngaras, mas que tem lá em Budapeste e vale a pena provar também!

REFEIÇÃO


Goulash

O Goulash (esta é a grafia mais fácil, em húngaro seria “gulyás”; pronuncia-se “gúlache”) é um ensopado de carne bovina, ao qual em geral se adiciona também carne de porco, bem temperado com especiarias (a páprica é muito comum por lá). Você vai encontrar também sob o nome de “Sopa Goulash” (ou Goulash Soup), pois de fato é uma sopona cheia de coisa.

No caso, nós acabamos comendo o Goulash de feijão (pois o normal estava em falta no momento), mas ele tinha as carnes de porco, além de cenoura, cebola e os demais temperos. É um pouco pesadinho, pois tem bastante gordura e é bem condimentado. Mas é bem gostoso!

Sopa Goulash (de feijão)

Onde comer: Tem em praticamente qualquer esquina! Nós comemos em um restaurantezinho que apareceu na nossa frente enquanto andávamos por umas ruas aleatórias em Peste. Era pequeno, parecia bem tradicional (na entrada dizia “Since 1950 e poucos”), a decoração dentro era adorável! A gente sabe que um restaurante é bom quando só se vê locais, e não turistas, dentro dele.

Agora, e pra lembrar o nome do lugar – o pior, em húngaro? Putz, não anotei na hora (dããr). Prometo que vou tentar descobrir o nome dele e volto aqui para contar!

Preço (prato individual): aprox. 2.500 ft.

A foto não está boa, mas o lugar era pequeno, tradicional, todo decorado com objetos antigos. Os frequentadores, apenas locais.

Frango com páprica e dumplings

Este é muito gostoso! Só de olhar a foto eu já salivo de novo 😛

São pequenos pedaços de frango em um molho cremoso de páprica, misturado com dumplings, que são mini bolinhos à base de farinha. Por cima, vai uma espécie de um sour cream (tipo um creme de leite). Putz, muito bom! E super bem servido! Se você não for ogro bom de garfo como nós, pode até pensar em dividir um prato.

Frango com páprica e dumplings

Onde comer: É também fácil de encontrar. Nós comemos no Komédiás Kávéház (próximo à Opera House, em Peste) e super recomendo! É um lugar tradicional e, na ocasião, havia música ao vivo (piano e voz) bem agradável.

Preço (prato individual bem servido): aprox. 3.500 ft.

Mistureba húngara

O nome é impossível de falar e decorar, então vou chamar de “mistureba húngara”. Era um pratão com Goulash (mas sem ser sopa, com um caldo mais grosso), dumplings, frango, carne de porco, pimentão, tomate, molho de páprica e sabe-deus-mais-o-quê. P* prato ogro! Mas bem gostoso.

Onde comer: não sei se é um prato que tem em vários lugares ou se foi invenção deste restaurante. Nós comemos no Lecsó Étterem, em frente ao nosso hostel, em Peste, próximo à Ponte Margarida.

Preço (prato individual bem servido): aprox. 3.000 ft.

Ainda nesse restaurante, comemos um prato que não sei se é húngaro – duvido, poderia muito bem ser de qualquer cultura ocidental. Era apenas um franguinho (frangão!) à milanesa com recheio de queijo e cogumelos, acompanhado de arroz. Estava muito bom!

Preço (prato individual bem servido): aprox. 3.000 ft.

COMIDA DE RUA


Lángos

O Lángos é tipo uma esfiha do Habibs gigante, mas com uma massa que lembra a da Pizza Hut (já deu pra sentir que coisa saudável não vem por aí, né?).

Há algumas opções de cobertura (inclusive doces), mas não tão variadas assim; elas se resumem basicamente a combinações de queijo e sour cream. Adivinha do que pedimos? De queijo e sour cream.

Não sei se dá para ter uma ideia do tamanho do negócio; ele tem quase o tamanho de uma pizza brotinho. É bem grande!

Lángos de sour cream com queijo

Onde comer: na rua – tem em muitos lugares. Nós comemos em uma barraca ao pé do morro do Castelo de Buda, ao lado da estação do funicular. Obs: talvez esse lugar seja mais caro por ser bem no circuito turístico.

Preço (unidade): aprox. 1.000 ft.

Kürtőskalács

Esse é a sensação de Budapeste!

Kürtőskalács é um pão doce de massa fina, enrolado e assado em um cilindro, servido ainda quente com algumas opções de “cobertura”: açúcar e canela, côco, amêndoas ou chocolate.

Você vai querer comer mais pelo formato, tamanho e modo de preparação curiosos do que por qualquer outra coisa (mentira, o cheiro é uma delícia, e se sente de longe!). Se liga:

Agora preste atenção: ele é realmente gigante!

Estávamos sem almoçar, somos um pouco ogros para comer (como vocês já sabem) e, mesmo assim, não aguentamos comer um treco desse inteiro (um para os dois). Acho que por ser doce, acaba enjoando logo (meu paladar para doce é um pouco sensível).

A felicidade da criança com o Kürtőskalács

Onde comer: na rua – tem em muitos lugares em quiosques.

Preço (unidade): aprox. 2.000 ft.

CERVEJA


Prove as cervejas húngaras! Eu gostei bastante da Amber Ale do Szimpla! A IPA do Alexandre era muito boa também. Até as Lager básicas também são boas.

Ruin Pub Szimpla | Foto: Laura Sette

Onde beber: nós fomos ao ruin pub Szimpla, onde há cervejas diferenciadas.

Preço médio (long neck/copo grande) no Szimpla: aprox. 700 ft.

OUTROS


Sanduíche aberto na baguete

Não sei se é tipicamente húngaro, mas eu adorei. Nunca tinha visto um sanduíche assim na baguete, só metadinha. Pedi um de queijo, cebola e milho. Vem bem quentinho, com o queijo gratinado em cima. Estava muito bom!

 

Onde comer: Comi na Ilha Margarida, em um quiosque de lanches mais ou menos no centro da ilha.

Preço (unidade): aprox. 600 ft.

Sorvete de flor

Obviamente não é húngaro, a começar pelo nome do lugar: Gelato Rosa! Mas tem lá em em Budapeste e eu amei.

É um sorvete (não, não, um gelato italiano) que eles montam na casquinha em formato de flor! Não é a coisa mais linda? <3

Gelato Rosa

Onde comer: Gelato Rosa, ao lado da Basílica de Santo Estêvão, em Peste.

Preço (unidade): aprox. 650 ft

E aí, alguma coisa daí deu água na boca?

PS: apenas um item da lista não pudemos provar, simplesmente porque não encontramos – os tais Sajtos, parecidos com a bolinha de queijo brasileira. Pena! Fica para a próxima.

Boa comilança! 😀

Notas mentais:

 Data da trip: Março de 2017

 Já segue o 7 Cantos do Mundo nas redes sociais?

instagram

 Comece a planejar sua viagem agora mesmo!

Reservando com os nossos parceiros, você não paga nada a mais por isso, e ajuda um pouquinho o blog 🙂

Temos parceiros para hospedagem, seguro viagem, aluguel de carro e agência de viagens, ecoturismo e bem estar, com roteiros prontos ou personalizados.

Veja AQUI.

 Achou este post bacana? Curta, comente, compartilhe!

Sobre a autora Ver todos os posts Site da autora

Laura Sette

Bióloga paulistana que não vai sossegar enquanto não conhecer os sete cantos do mundo. Apaixonada por natureza e culturas, é perdendo-se por aí que ela se encontra. É viciada em livros e café, positividade é sua filosofia de vida e não perde uma oportunidade de rir e fazer rir com uma (nem tão) boa piada.

Comente! :)

11 ComentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *