7 Cantos do Mundo

Porque você vai querer subir o Pico do Papagaio (MG) – e como fazê-lo!

O Pico do Papagaio é um dos atrativos mais cobiçados pelos trilheiros em Aiuruoca, MG. Não é difícil entender o porquê!

Ele é um dos atrativos do Parque Estadual da Serra do Papagaio, administrado pelo Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais (IEF-MG) – portanto, uma Unidade de Conservação (UC).

São cerca de 2.100 metros de altura, de onde se tem uma visão incrível dos mares de morros mineiros. No caminho, você se depara com cachoeiras, poços de águas cristalinas, uma vegetação que mistura Mata Atlântica com araucárias, e até uns trechos de mata mais fechada com mais cara de florestas temperadas – tipo de filme medieval (sabe do que eu to falando?). Só sei que, meu, é um trem bonidimaidaconta, sô!

Confira aqui todas as informações para fazer essa trilha incrível!

Hey, ainda não sabe onde se hospedar em Aiuruoca? Nós recomendamos a Pousada Alquimia! Ou então, se preferir, você poder pesquisar mais opções no nosso parceiro Booking por meio deste link (assim, você ajuda um pouco o blog e não paga nada a mais por isso). Gratidão! 🙂

Bom saber antes da trilha

 Este é o Pico do Papagaio, prazer!

Visto do Matutu (à esquerda)

Visto dos Garcias (à direita)

 Nível técnico: moderado

 Esforço físico: moderado a difícil

 Distância: cerca de 14 km (ida e volta)

 Duração: um dia inteiro. São cerca de 3h30min (em ritmo lento) para ir e umas 3 horas para voltar, mais o tempo de aproveitar lá – você fica lá de 1 a 2 horas fácil. Total: cerca de 8 horas. Portanto, saia cedo!

 Precisa de guia? Recomendo que sim. Muita gente se perde nessa trilha, e é bom ter alguém que conheça a dinâmica climática da região a fim de evitar tempestades com relâmpagos – ninguém quer isso lá em cima, certo? De qualquer modo, estou disponibilizando o tracklog da trilha que eu fiz com Seu Dito, guia local de 78 (se-ten-ta-e-oi-to) anos muito gente fina! Fica a seu critério. Ele cobrou R$ 40 por cabeça (enquanto guias do Matutu cobram R$ 60 e guias dos Garcias cobram de R$ 50 a 75). Pergunte por ele na sua pousada/camping.

 O que levar:

  • Mochila de ataque pequena
  • Bota/tênis de trekking (preferencialmente)
  • Roupas leves para caminhada
  • Roupa de banho
  • Protetor solar
  • Boné/chapéu
  • Máquina fotográfica
  • Água (tem alguns pontos de água potável no caminho)
  • Capa de chuva
  • Lanche de trilha
  • Saquinho para levar seu lixo de volta

 Importante: No caminho não há nenhum tipo de estrutura, nem latas de lixo; tudo o que você levar, traga de volta  com você.

Como chegar

Existe mais de uma opção de trilha para subir o Pico do Papagaio (ouvi falar de pelo menos umas três diferentes). É possível subir a partir de um local próximo à cachoeira dos Garcias – que já é mais alto e portanto se sobe menos – porém a disponibilidade de guias por ali é muito menor, e a ausência de sinal de celular na maioria dos lugares da região dificulta a comunicação para agendar com alguém.

A trilha que fiz e indico aqui começa no Vale do Matutu, uma opção mais, digamos, viável, pois lá há uma maior oferta de guias, contratados no próprio Matutu (onde tem o Casarão) ou nas pousadas dos arredores. Não sei dizer se existe um caminho melhor – afinal, só fiz um, certo? – mas garanto que a trilha pelo Vale do Matutu é maravilhosa e vale muito a pena! A diferença, como você deve ter imaginado, é que o ganho de elevação por esta trilha é maior, já que estamos em um vale e chegamos em um pico – tadáá! Mas juro que a subida não é absurda como me disseram e possivelmente vão te falar!

O guia vai te indicar o ponto de encontro – que no meu caso, foi no Pesque e Pague (trutário), localizado a cerca de 14 km do centro de Aiuruoca, na estrada de terra que vai sentido Matutu (que é longa, mas bem sinalizada e de condições ok. Mesmo assim, se tiver chovido muito nos dias anteriores, consulte as pessoas locais sobre a situação). Se você for o diferentão e quiser ir sem guia (brincadeiraaa :D), você pode baixar meu tracklog e ir direto para o trutário.

Está curtindo? Que tal curtir também a nossa página no Facebook? 🙂

A trilha

Tracklog (Wikiloc): Pico do Papagaio – Aiuruoca, MG

A trilha começa lá de dentro da propriedade do trutário mesmo – entra na ruazinha onde tem a placa “Pesque e Pague” e siga até o fim dela, onde tem uma porteira; pode abrir e entrar que não tem problema – o máximo que pode acontecer é a dona te alertar que “ainda não tá na hora de pescar não, filho” hahaha!

Saindo pelos fundos do Pesque e Pague, você começa a subir, subir, subir. Aí pára um pouquinho, descansa um pouquinho, e sobe mais um tantão. Mas vai na manha que é de boa. Você vai começar a avistar os mares de morro mais de cima, além das lindas cachoeiras conhecidas como Três Marias; só aí você pensa: “já valeu o dia”.

Passando estes campos iniciais, a trilha começa a ficar bem estreita, com muitos trechos em mata fechada. Se você se incomoda com arbustos raspando na perna, aconselho ir de calça comprida, pois isso é uma constante no caminho. Tem algumas (três, se não me engano) travessias de rios, mas são tranquilas de ir pelas pedras, não é necessário tirar o tênis. Há cerca de três pontos de água potável no percurso.

Atenção: pode haver vacas no caminho (só eu aqui tenho medo de vacas?)

Muitas mudanças de cenários depois, você chega lá em cima e fica sem ar – não pelos 2.100m de altitude, é porque é lindo demais mesmo! Me diz se eu estou mentindo:

Pico do Papagaio - Aiuruoca - MG

 Dica: na volta, pare no poço de águas (muito) cristalinas e (muito) geladas que tem no caminho! É um pequeno desvio, na verdade, veja o tracklog ou peça ao seu guia!

É isso aí. Boa caminhada, e lembre-se de ficar De Boas! 🙂

GRATIDÃO 

Data da trilha: 09 de fevereiro de 2016.

 Já segue o 7 Cantos do Mundo nas redes sociais?
 de Minas Gerais

Outra trilha imperdível de Aiuruoca: Cachoeira do Fundo

Quais são as 7 coisas que você deve saber sobre Ibitipoca?

Já ouviu falar na Cordilheira Brasileira? Conheça a Travessia Lapinha x Tabuleiro

 Comece a planejar sua viagem agora mesmo!

Reservando com os nossos parceiros, você não paga nada a mais por isso, e ajuda um pouquinho o blog 🙂

Temos parceiros para hospedagem, seguro viagem, aluguel de carro e agência de viagens, ecoturismo e bem estar, com roteiros prontos ou personalizados.

Veja AQUI.

Achou este post bacana? Curta, comente, compartilhe!

Sobre a autora Ver todos os posts Site da autora

Laura Sette

Sou paulistana, bióloga, viciada em viagens, trilhas, livros e café, curiosa incansável e nerd assumida. Considero-me uma eterna aprendedora, e estou em constante busca da minha melhor versão. Acredito no poder transformador do autoconhecimento, e que, com amor e verdade, somos capazes sim de mudar o mundo! Moro atualmente na Dinamarca, como parte do grande plano de conhecer os 7 Cantos do Mundo.

Comente! :)

17 ComentáriosDeixe um comentário

  • Olá Laura! Faltou informar que o Pico do Papagaio é um dos atrativos do Parque Estadual da Serra do Papagaio, administrado pelo Instituto Estadual de Florestas de MInas Gerais (IEF-MG). Como bióloga, é legal você citar que o Pico está dentro de uma unidade de conservação!!!

  • Laura amei … Pretendo ir em junho, sozinha e sem carro. Fica longe as trilhas? Essa dica que deu de guia me serve, tem telefone? Vc foi de carro a pé? Ficou hospedda onde ?

    • Olá, Michel! Para chegar ao trutário, você vai no sentido do Matutu, não tem muito erro. Estando na praça principal no centro, olhando para a igreja você sobe a rua à direita dela. Vá até onde o asfalto acabar e começar a estrada de terra. Neste ponto, haverá placas indicando o Matutu. Caso tenha alguma dúvida, é só perguntar por lá também, certamente poderão te orientar. Blz? 🙂
      Obrigada pela visita! Abraço

  • Olá Laura,
    Ótimas dicas, bela matéria e…
    se alguém quiser repor a energia após a caminhada (ou levar um lanche) temos ótimos sucos, vitaminas e geleias de amoras, mirtilos e framboesas tudo orgânico e plantado aqui. Sítio Cambará – Vale do Matutu, é só chegar!!!
    Abraços.

  • Excelente Laura! Mas uma dúvida que eu fiquei. Parece que existe uma outra trilha para chegar até o Pico. Sabe dizer qual delas vale mais a pena? Obrigado.

    • Olá, Vinicius! Tem sim, acho que uns três caminhos possíveis. Mas infelizmente eu não posso dizer nada sobre eles, pois só conheço este que descrevi no post. Este eu garanto que vale a pena! 😉 Obrigada pela visita! Abraço

  • Olá, Laura!
    Excelente relato e belo blog. Tenho algumas dúvidas e se você puder esclarecer, ajudaria bastante…estou pensando em fazer a trilha sozinho e sem guia, você acha que dá para ir numa boa? É bem sinalizada? Apertando o ritmo, em dá para fazer abaixo de 3h? Pensei em começar de madrugada, para pegar o nascer do sol…
    Obrigado e um abraço

    • Olá, Murilo, obrigada! 🙂
      Sobre o tempo de trilha: acho que dá para fazer em menos de 3 horas sim, com um ritmo de caminhada bom.
      Sobre is sem guia: a trilha que eu fiz (há mais de uma opção para subir) não é marcada, então é bem fácil de se perder se você não conhece. Porém, como você deve ter visto, eu compartilhei o tracklog que gravei com o aplicativo Wikiloc; se quiser arriscar, você pode baixar o app e tentar fazer a trilha com ele. Mas daí é por sua conta, ok? 🙂
      Abraço!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *